Facebook muda algoritmo: fanpages menos relevantes, interações entre pessoas ganham importância

A sua empresa tem uma fanpage no Facebook? Má notícia para ela: Mark Zuckerberg anunciou em seu perfil, em 11 de janeiro, que nos próximos meses o algoritmo da rede social vai priorizar os posts de amigos e familiares em detrimento às publicações feitas por páginas.

Segundo o CEO da rede, usuários do Facebook vêm reclamando da quantidade de posts de empresas e veículos de comunicação em seus feeds de notícias. “Uma vez que há mais conteúdo público do que posts de amigos e da família, o feed afastou-se da coisa mais importante que o Facebook pode fazer: ajudar a nos conectarmos uns com os outros”, disse Zuckerberg.

Até agora o Facebook usa marcações como quantas pessoas reagem, comentam ou compartilham posts para determinar o quão no topo as notícias aparecem. De acordo com comunicado no blog do Facebook, agora a rede social tentará prever quais posts a pessoa irá interagir, mostrando-os mais perto do topo do feed. A justificativa é que esses são posts que inspiram discussões nos comentários.

Zuckerberg relatou que vai pretender mudar o foco das equipes de produto, que antes buscavam mostrar conteúdos relevantes para as pessoas e agora passam a focar em “ajudar você a ter mais interações sociais significantes”.

Para os usuários, a mudança é simples: mais posts de amigos, família e grupos e menos de empresas, marcas e veículos de comunicação.

O Facebook já vinha implementando mudanças desse tipo desde o ano passado, mas essa parece ser a mais radical delas. Se uma fanpage deseja que seus posts apareçam no feed de notícias dos usuários, precisará investir cada vez mais em impulsionamento e anúncios.

“Algumas notícias ajudam a começar discussões sobre assuntos importantes. Mas, com muita frequência, assistir a um vídeo, ler uma notícia ou atualização de página é só uma experiência passiva”, finaliza o dono da maior rede social do planeta.

Ainda há um ponto a ser explorado. Fanpages que geram conversas entre pessoas vão aparecer mais no feed do que as que não interagem. “Por exemplo, transmissões ao vivo frequentemente levam à discussões entre quem os assiste no Facebook — de fato, vídeos ao vivo geram 6 vezes mais interações que vídeos regulares”, contou Adam Mosseri.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *